Carregando...

“PARA MIM NADA É IMPOSSÍVEL E O POSSÍVEL É INFINITO” fala Maria Cecília Rosenmann

Postado em

 

Curitiba, 23 de agosto de 1987

MARIA CECÍLIA DE LEÃO ROSENMANN, filha de Leoni e Carlos Eduardo Veiga de Leão, nasceu em Curitiba. Grande apreciadora da cidade, não troca Curitiba por nenhum lugar do mundo, por ter aqui suas raízes, sua família e seus amigos. Casada com o empresário Manoel Rosenmann , diz que com ele aprendeu muito do trabalho, além do apoio e incentivo. Tem dois filhos Bernardo com 17 anos e Carlos Eduardo com 12. Fazendeira, é apaixonada pela terra, amiga de seus funcionários, preza as suas amizades e ainda acredita na fidelidade dos homens. Simples, com fé, alegre, enfrenta a vida com garra e sem negativismos. Não costuma julgar nem questionar as pessoas.

IZZA – O sobrenome “Leão” é sinônimo de orgulho e tradição. Você acha isso fundamental?

MARIA CECÍLIA – tenho orgulho de meu nome, mas não faço disso minha bandeira. Faço parte desta cidade, assim como tantas outras pessoas de bem.

Sou extremamente simples e não dou valor a nomes e sim a pessoas, o que representam por si próprias. Não faço diferenças sociais, tenho grande amigos em várias classes. A vida me ensinou que “os melhores perfumes estão sempre nos menores frascos”.

IZZ – E sobre a sua infância?

MARIA CECÍLIA – Foi linda, cheia de brincadeiras. Eu adorava bonecas, subir em árvores, apesar de ter perdido meu pai muito cedo, aos 5 anos. Meu avô Ivo praticamente que me criou. Eu era louca por ele e sempre o acompanhava até a fábrica LEÃO JUNIOR, desde muito pequena. Hoje ele é para mim, uma das melhores lembranças. Sempre foi muito alegre e comunicativo. Minha mãe nos criou com rigidez, fui preparada para ser mãe e dona de casa. Minha avó LOLITA sempre dizia “QUEM NÃO SABE FAZER, NÃO SABE MANDAR”, por isso tive que aprender a lavar, passar, cozinhar, costurar mas a vida dá suas voltas e hoje, me vejo sentada atrás de um escrivaninha dentro da fábrica o dia inteiro, mas se eu precisar entrar na cozinha acho que ainda sei alguma coisa.

IZZA – Você é perfeccionista?

MARIA CECÍLIA – Tenho mania de ordem, de limpeza. Gosto de ver a minha casa sempre bem arrumada e florida e admiro uma mesa bem-posta.

IZZA – Com tantas atividades, resta pouco tempo para curtir a casa, não é?

MARIA CECÍLIA – Não. Pelo contrário. Fico em casa todas as manhãs. Atendo meu filho pequeno, aprendo inglês, italiano, francês, vou para o jardim plantar, e só as 13 horas  entro na fábrica de onde saio às 19 horas. Duas vezes por semana vou às lojas, dar uma olhadinha e ainda sobra um tempinho para passar na Igreja.

IZZA – Não sabia que você era religiosa!

MARIA CECÍLIA – Sim. Desde criança estudei em colégio de freiras. Tive profunda formação religiosa que me marcou muito. Tenho infinita fé em Deus e a religião faz parte ativa em minha vida, procuro vivê-la.

IZZA – Gostaríamos que nos falasse sobre suas atividades comerciais.

MARIA CECÍLIA – Sou economista, trabalho no comércio há 12 anos e na indústria há 10 anos. Com duas lojas de confecções infantis que levam o apelido carinhoso dado por meu avô “MARIA CHICA”. Atualmente estou também à frente de uma fábrica de bonecas, comercializadas em todo o Brasil e exportadas para os Estados Unidos e Europa. Nessa fábrica o trabalho de que mais gosto é a criatividade. Não possuo desenhista, eu mesma desenho os modelos (em média 20 a cada seis meses) e a cada nova coleção, me encho de expectativa. O trabalho é fascinante, porque, para desenvolver os novos modelos tenho que pensar muito.

IZZA – Por que optou pela linha infantil?

MARIA CECÍLIA – Porque eu adoro crianças, e na época, há doze anos atrás, haviam poucas opções para vestir meus próprios filhos. Me arrisquei saindo do centro, que era a área tradicional do comércio. Manoel encontrou para mim a casa onde é hoje a “MARIA CHICA BATEL”. Realmente fui a pioneira naquela área, não havia nada, mas tive a sorte de logo em seguida inaugurarem o Hospital Maternidade Santa Cruz, bem próximo a minha loja, e tudo ficou mais simples. Acho que nossos clientes merecem a maior atenção e cuidado e é isso que procuramos oferecer. Para mim, o cliente tem sempre razão.

IZZA – Como patroa de vários empregados, o que você tem a dizer sobre o atuai salário mínimo, e sobre o abono dado recentemente?

MARIA CECÍLIA – O salário mínimo é mínimo mesmo, porém na atual conjuntura os empresários se vêem sufocados, de mãos atadas. Tenho certeza que a maioria do empresariado gostaria que o salário fosse maior, desde que o nosso país fosse mais desenvolvido e tivesse melhores condições. O grande problema atual é o Governo que ainda não se conscientizou dos enormes problemas desse gigante adormecido que é o Brasil. Em primeiro lugar acho que o nosso povo merece mais cuidados com a saúde e a educação, pois com isso ele elevaria seu nível, e teria melhores condições de vida e consequentemente de qualidade de trabalho. Em minha fábrica ninguém ganha salário mínimo porque reconheço que é impossível viver, manter uma família com tão pouco, com um salário que considero de fome.

IZZA – Como se desenvolve o trabalho na fábrica?

MARIA CECÍLIA – O desenvolvimento é um tanto complexo, pois todas as etapas para criação e conclusão de cada boneca são totalmente artesanais e as bonecas passam pelo menos por quinze etapas até estarem prontas para a comercialização, e para isso, a MARIA CHICA possui representantes em todo o Brasil, expõe nas grandes feiras brasileiras como a FENIT, e agora está se preparando para participar da Exposição Latino-Americana na Europa (EUROLATINA 87) no Centro de Exposições Ahoy, em Roterdan, Holanda

IZZA – Todos esses aspectos consomem muito seu tempo. Como você concilia família e trabalho?

MARICA CECÍLIA – Muito bem, em primeiro lugar está sempre a minha família e nunca tive problemas, porque organizei a minha vida de maneira que dê tempo para tudo. O segredo é ter uma boa assessoria e arte de administrar que é “delegar poderes sob controle”, o que facilita muito as coisas. Para mim, a vida nada é impossível, já que o possível é infinito. Quando desejo algo, costumo lutar até conseguir. Gosto de viver e o trabalho me completa.

IZZA – Sabemos de sua participação no Conselho Permanente da Mulher Executiva. Qual a sua parte?

MARIA CECÍLIA – Sou Vice-presidente, e o Conselho funciona junto à Associação Comercial do Paraná. O objetivo é ajudar a pequena e média empresa, informar e ministrar cursos, mantendo sempre a mulher atualizada nos diversos segmentos da Economia.

IZZA – E sobre o Conselho do COIND, Manufaturados Têxteis?

MARIA CECÍLIA – Sou conselheira. O objetivo é unir a classe, discutir assuntos e problemas referentes a levar ao Governo as reivindicações.

IZZA – Politicamente como você se situa?

MARIA CECÍLIA – Me considero uma pessoa de centro, não gosto de extremismos, assim como não gosto de política e não participo. Melhor que política é o trabalho e é disto que o nosso governo tem se esquecido. Amo meu País, e acredito nele como brasileira. Já superamos outras crises e ainda estamos vivos.

IZZA – “CONSTITUINTE”, o que você espera dela?

MARIA CECÍLIA – Acho importante que seja bem elaborada, para que venha atender aos anseios e necessidades prementes em nosso Pais. Particularmente, como cidadã, estou muito interessada que a Constituinte defenda os direitos da mulher, e que os problemas sociais sejam resolvidos com a ênfase que merecem.

IZZA – E sobre o papel da mulher na sociedade?

MARIA CECÍLIA – Ela, além de ser o centro da família como mãe e esposa, ainda tem condições de exercer cargos de maior importância principalmente na área social. Penso que também deveria ser mais respeitada na esfera político-econômica. Não sou feminista, nem um pouco, prefiro ser feminina. A mulher deve ser valorizada e ocupar seu espaço, sem agredir o homem.

IZZA – Sei que você é muito admirada pela arte de receber bem. Qual é o seu segredo?

MARIA CECÍLIA – Eu não sei se sou admirada por receber bem, são tuas palavras, mas se existe algum segredo, é deixar meus amigos sempre completa- mente à vontade. Gosto de receber, prefiro informalmente em casa, na chácara e até mesmo na fazenda. A simplicidade é a alma de tudo isso.

IZZA – Atualmente, qual o seu objetivo?

MARIA CECÍLIA – Criar uma organização de Reintegração e Reabilitação do Deficiente Físico Adulto. Sei que é um trabalho complexo, mas tenho recebido apoio de muitos amigos, inclusive do Governo Estadual e Municipal, já que ambos estão conscientes dessa realidade e necessidade.

 

Enviar por e-mail