Carregando...
Abdo Dib Abage

” Diminuas um pouco o passo! “, sugere Abdo Dib Abage

Postado em

Abdo Dib Abage

 

Curitiba, 23 de dezembro de 1990.

Minha Curitiba. Considero-te assim, muito minha porque você me viu nascer, em 1940,
precisamente, na Rua Saldanha Marinho, entre a Visconde de Nacar e Visconde do Rio Branco, em uma casa simples, sem a assistência de médico, somente da portaria.
Destes primeiros anos não lembro. Logo, logo a família mudou-se para a cidade da Lapa,
onde meus pais entenderam que poderiam reiniciar a vida, montando um novo negócio.
Não se pode dizer que não foram bem sucedidos. Só que em 1947, já com sete filhos,
acharam que precisavam se preocupar com o futuro de todos, e que esse
futuro estaria aqui mesmo em você, Curitiba.
Desembarcamos todos do ônibus que nos trouxe para cá, em seguida à mudança e o destino
fez com que novamente na Rua Saldanha Marinho reiniciássemos a nova vida,
agora com a confluência na Rua Voluntários da Pátria.
É dessa Curitiba que guardei as melhores lembranças. Das peraltices de menino, indo em bando, pode-se dizer, com meus três irmãos e mais alguns colegas para o Grupo
Escolar do Instituto da Educação. Era um caminho curto, da Saldanha Marinho até a Emiliano
Perneta, descendo pela Voluntários da Pátria. E as meninas, meus pais faziam questão,
estudavam no Colégio das Irmãs da Divina Providência. Mas naquele trecho curto, quantas
coisas aconteciam. A Rua Cruz Machado ainda não existia, larga como é hoje, apenas uma ruazinha estreita. Com mais algumas passadas estávamos na Praça Osório, atravessando a então Avenida João Pessoa para galgarmos a calçada do edifício Garcez. Um dia, que susto!
Naquela travessia quase fui atropelado por um automóvel. Algum comerciante que presenciou a cena fez questão de levar-me para a sua loja e ofereceu-me um copo d’água.
Minhas pernas ainda tremiam. Na outra vez, uma tempestade forte colheu-nos no caminho.
Como já estávamos perto da escola, o mais sensato era irmos correndo até lá. Só que o portão estava fechado. Paramos alguns segundos para entender o que estava acontecendo.
Alguém de dentro gritou alguma coisa, que eu entendi que não havia aula porque morreu o general. Fiquei pasmo! Não haver aula só porque morreu o general? Entretanto a
violência da chuva não nos permitia pedir explicações. Fizemos meia volta
e retornamos debaixo de chuva mesmo até chegarmos em casa, quando já de roupas secas,
pedi explicações a um dos meus irmãos: -Ora não houve aula, porque morreu o general
(se não me engano, o Ministro da Guerra da época).
Hoje sou muito crítico de ti, Curitiba. Não posso acostumar-me com a idéia de que não sejas a cidade modelo do Brasil. Quantas transformações! De cidade provinciana, diziam na época, largas avenidas, os belos bairros residenciais a poucos minutos do centro, a tua urbanização bem planejada, me enchem de orgulho.
Se tivestes bons prefeitos sempre, tens também filhos bem ciosos de
suas obrigações de cuidar-te.
Se fico triste contigo, alguma vez? Sim, quando vejo teus muros pichados, tuas ruas
esburacadas, alguns de teus bairros abandonados, teus postes poluídos de cartazes.
Sei que é um preço que temos que pagar pelo teu crescimento. As vezes não nos permite acompanhar-te.
Quero fazer-te um pedido: – Diminuas um pouco o passo!

ABDO DIB ABAGE
Empresário
Consul da Síria