Carregando...

“ Curitiba, o lugar que me acolheu ” fala Norman de Paula Arruda Filho

Postado em

 

Curitiba, 2 de Julho de 2018

 

Curitiba, o lugar que me acolheu.

 Lembro-me da sensação de euforia e ansiedade, misturadas a esse aroma de eucalipto que só Curitiba tem e que sinto todas as manhãs desde o dia em que aqui cheguei. Era 1976, recém-formado, recém-casado e vindo de Porto Alegre em um fusca laranja que não tinha quase nada de bagagem, mas carregava muitos sonhos e grandes expectativas sobre o que essa nova cidade poderia nos proporcionar.

Assim, Curitiba para mim representa muito mais do que o local onde moro, é o lugar que me acolheu. No qual comecei minha trajetória profissional no Banco Nacional de Habitação a convite do Dr. Luiz Antônio Parigot de Souza e construí minha vida pessoal ao lado de minha companheira de sempre, Naira Lomando de Paula Arruda.

Como arquiteto, morar em Curitiba é contemplar a excelência da profissão. O planejamento urbano, o sistema de transporte, as áreas verdes são exemplos de como a inovação e a sustentabilidade afloram desde suas tradicionais praças e calçadões até os novos arranha-céus.

Na juventude, nas manhãs de sábado o Passeio Público era o ponto de encontro entre os amigos, o Teatro Guaíra era o programa favorito e caminhar pelo Largo da Ordem era nossa forma de explorar toda a vida cultural curitibana.

Como pai, a cidade não tinha limites. Nos fins de semana, as crianças se divertiam nas atividades de pintura do calçadão da Rua XV e desfrutando das belezas do Parque Barigui, que para nós era como a extensão de casa.

Enquanto gestor de grandes empresas – como o BNH, a Sanepar, a Secretaria de Desenvolvimento Urbano, a Caixa Econômica Federal, dentre outras – construí importantes relacionamentos que cultivo até hoje, além de um portfólio de conquistas para a cidade como o Programa de Saneamento Ambiental de Curitiba e investimentos para a melhoria e o desenvolvimento da cidade.

Foi aqui também que comecei meu caminho na área da educação, quando o então Prefeito Rafael Greca articulou a vinda de uma unidade da Fundação Getúlio Vargas para Curitiba cuja presidência fui convidado a assumir e onde, desde então, adotei a missão de formar líderes globalmente sustentáveis.

Posicionamento esse que me oportunizou estabelecer um relacionamento com a Organização das Nações Unidas, tanto para representar nossa cidade lá fora quanto trazendo membros da ONU para conhecerem todo o potencial de Curitiba.

Felizmente, tive muitas oportunidades de atuar em vários projetos nacionais e internacionais e em cada um deles, o sentimento de orgulho sempre me acompanhou.

Orgulho ao falar em Curitiba e ver o semblante de admiração no rosto das pessoas, satisfação em ouvir que somos referência dentro e fora do Brasil,

alegria em saber que pude contribuir para o desenvolvimento da nossa cidade modelo, e muita honra em me tornar cidadão honorário em título concedido pela Câmara Municipal em 2003.

Hoje, Naira e eu, esperamos que nossos três filhos – Naiana, Norman Neto e Nicole – e três netos – Rafael, Olívia e Luiz Henrique – todos curitibanos, possam aproveitar e reconhecer a beleza, a cultura e toda a infraestrutura que a cidade tem a oferecer e pelas quais temos tamanho carinho e admiração.

Como gaúcho, carrego sempre o chimarrão. Mas para o meu coração, nada é melhor do que o sabor do pinhão.

Autor:

Presidente do ISAE – Escola de Negócios, conveniada da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Presidente do Capítulo Latino-americano e Caribenho do PRME, integra o PRME Champions Group e é Conselheiro do PRME Global, além de membro do Comitê Brasileiro do Pacto Global da ONU.

 

Enviar por e-mail